‘Minha geração tem menos amarras sociais que as anteriores’, diz Gabriel Leone

Por LÍGIA MESQUITA
Gabriel Leone em cena com Giulia Buscacio (Divulgação)
Gabriel Leone em cena com Giulia Buscacio (Divulgação)
Gabriel Leone, 22, é um dos destaques da jovem turma de atores da novela “Velho Chico” (Globo), na pele do agrônomo Miguel, neto do coronel Saruê (Antonio Fagundes). Na próxima semana, ele descobrirá ser filho de Santo (Domingos Montagner), informação que a mãe, Tereza (Camila Pitanga), escondeu dele.
“Quanto mais Miguel se aproxima da família Dos Anjos, mais se afasta da mãe e dos De Sá Ribeiro. Tereza e Miguel sempre foram cúmplices e grandes amigos. No momento em que ele descobre essa mentira, há uma ruptura enorme”, diz Leone por e-mail à coluna.
Na trama de Benedito Ruy Barbosa, Miguel ensina um novo método de plantio aos agricultores da fictícia Grotas de São Francisco.

Como é fazer uma novela das 21h e como lida com títulos como “aposta de galã”?
A novela das 21h é o carro chefe, há uma expectativa maior de todos. Nossa “Velho Chico” tem uma temática profunda e uma linguagem épica. É um trabalho especial pela imersão na brasilidade da trama e de muita intensidade dramática, diariamente. Quanto aos rótulos, trabalho sem me preocupar com isso. Pra mim, rotular é limitador. Minha vaidade está sempre a serviço do personagem.
Na novela os jovens tentam mostrar um novo caminho aos mais velhos. Cabe às novas gerações batalhar pelas mudanças no que diz respeito à sustentabilidade?
Cabe a todos os cidadãos. Os jovens trazem um frescor a qualquer batalha, principalmente pela maior intimidade com novas ferramentas e tecnologias que podem ser utilizadas a favor da construção de novos caminhos.
Como vê a sua geração e qual o papel que ela desempenha?
Minha geração já tem menos amarras sociais, menos preconceito que as anteriores. Em meu ciclo social, em geral, predominam as mentes mais abertas, dispostas a fazer algo concreto para uma sociedade melhor. Mas sinto às vezes uma cobrança exacerbada no sentido de se posicionar instantaneamente sobre tudo. E acredito que o posicionamento, a manifestação, não podem ser feitos sem fundamento e sem planejamento.
Miguel é visto como ecochato. Qual a importância do discurso dele?
A natureza pede socorro, é preciso mudar a relação do homem com ela. Temos a oportunidade de abordar essa temática numa novela das 21h e tentamos transmitir o discurso de uma forma simples.