‘Tem que ter coragem para se reinventar’, diz Sabrina Sato

Por LÍGIA MESQUITA
A apresentadora Sabrina Sato (Bruno Poletti/Folhapress)
A apresentadora Sabrina Sato (Bruno Poletti/Folhapress)

Sabrina Sato completa dois anos à frente do “Programa da Sabrina” (Record) neste sábado (2).

A apresentadora, ex-integrante do “Pânico”, diz ser uma vitória ficar no ar no disputado horário do sábado à noite. “Não imaginava que daria tão certo.”

Sua atração registrou média de 7 pontos no Ibope da Grande SP no mês de março (cada ponto equivale a 69 mil casas). Sabrina tem dado mais ibope que a colega de emissora Xuxa.

Ela falou à coluna:

Por que não imaginava que daria certo seu programa?
Todo mundo falava que seria muita responsabilidade. Recebi muito carinho quando aceitei esse desafio, mas também me preparavam para o pior. Diziam que era difícil, que demoraria para pegar, consolidar a audiência e, no fim, foi tudo ao contrário. Trabalho diariamente para esse programa, é um filho que tem que cuidar.

Evoluiu como apresentadora?
No primeiro programa eu estava emocionada e o diretor Deto Costa me falou: ‘Sabrina, há muitas apresentadoras. Queremos que você seja você”. Isso me deu uma segurança grande. Tento melhorar, aprender, estudar. Tô conseguindo ficar cada vez mais solta no palco.

Arrepende-se de ter saído do “Pânico”?
Nunca! Agradeço a oportunidade que tive, tô muito feliz. Às vezes nem acredito no que tá acontecendo. Tudo tem hora certa. Tem que ter coragem para se reinventar.

Acha que o programa tem reportagens que apelam para emocionar?
Não. Tudo depende da maneira como se conduz. Não podemos esquecer que estamos entrando na casa das pessoas. Tem um quadro, o “Sabrina Esteve Aqui”, que eu não faço para assistencialismo. Recebia cartas de comerciantes pedindo para ajudá-los falando dos negócios deles. Aí pensei: por que não posso ajudar fazendo o que mais sei fazer, comercial e ‘merchan’? Não dou o peixe, dou a vara para pescar. Se eu puder transformar a vida de alguém com meu programa, quero mais é transformar, independentemente do que vão julgar.

Dar ibope te preocupa?
Para não me tornar uma pessoa chata, procuro na minha vida não me preocupar com dinheiro, burocracia. Audiência quem cuida são os diretores (risos).