‘Eu e a Monica Iozzi nunca estaríamos competindo pelo mesmo papel’, diz Maíra Charken

Por LÍGIA MESQUITA
Maíra Charken na bancada do "Vídeo Show" (João Miguel Junior/Divulgação)
Maíra Charken na bancada do “Vídeo Show” (João Miguel Junior/Divulgação)

Nesta semana Maíra Charken (pronuncia-se Chárken), 37, assumiu a apresentação do “Vídeo Show” (Globo) ao lado de Otaviano Costa, substituindo Monica Iozzi.

Atriz formada em jornalismo e dança, ela participou do reality “Popstars” (SBT), integrou o balé do “Domingão do Faustão”, o grupo de improviso Deznecessários e atuou em algumas novelas (a última foi “Babilônia”, em que era a delegada).

Maíra conta que foi convidada a fazer um teste em novembro, mas “nunca” imaginou que seria escolhida para a função. “Fui bem, me joguei, mas saí falando: não vai dar em nada, vou esquecer”, lembra. “Quando veio o convite, foi um susto!”, diz.

Ela falou à coluna:

Imaginava ser apresentadora?

Desde criança eu falava que queria ter um programa meu, imitava a Xuxa. E o “Vídeo Show” traz uma mescla, posso ser atriz, cantar, fazer palhaçada, me jogar no chão. É maravilhoso, o melhor cargo da TV.

 

Teme as comparações com a Monica Iozzi?

Não, isso era esperado. É normal que ela fosse deixar esses órfãos. Mudanças acontecem e as pessoas demoram um pouco para entender. Mas daqui a pouco vão ver que são duas pessoas diferentes que calharam de estar no mesmo programa. Eu e Monica somos totalmente diferentes de humor, no jeito de fazer piada, na personalidade. A gente não tem nada a ver, nunca estaríamos competindo pelo mesmo papel.

O que você busca levar para a bancada do “Vídeo Show”?
É um programa muito leve, dinâmico, com improviso. Vim de um grupo de improviso e minha cabeça não para, vejo piada em tudo, sou aquela que fica falando no meio do filme. No “Vídeo Show” me vejo na sala de casa com amigos fazendo comentários. Quero chegar a esse ponto, em que o telespectador se sinta numa ma rodinha com a gente comentando a novela, as coisas.

Já aprendeu a lidar com a superexposição?
Você tá na maior emissora, num programa diário, ao vivo, e amado. Saí do 1 para o 1 milhão, é surreal. Mas acho legal fazer o programa como se estivesse falando para os 4.000 seguidores do meu Snapchat (risos).